Planetas Símbolos Astrologia

Mercury
Tradicionalmente, tem sido atribuída a Mercúrio a posição de reger
todas as formas de comunicação. Seu símbolo, formado pelo Círculo
do Espírito entre a meia-lua da Alma e a Cruz da Matéria mostra que o
homem atinge a união entre estas três partes essenciais de si mesmo ao
compreender como elas se integram em toda a expressão criativa. A
meia-lua, no alto, simboliza a Alma que está ativamente fluindo para o
Espírito que, por sua vez, luta para se expressar exteriormente, expandindo
suas idéias para dentro da Cruz da Matéria.

Venus
O regente do amor, da beleza e da harmonia, é simbolizado
pelo Círculo do Espírito sobre a Cruz da Matéria. Aqui, o espírito no
homem verte em expressão na forma, criando, assim vida. Quando a forma
é criada a partir do espírito, torna-se algo lindo, uma vez que tudo que o
homem cria emana de sua natureza etérica. Através de Vênus, a beleza, a
harmonia e o amor no espírito do homem podem encontrar seu caminho
para dentro da matéria.

Mars
O planeta da vitalidade, da energia, da sexualidade e do desejo
por expressão é simbolizado pela Cruz da Matéria
angularmente colocada sobre o Círculo do Espírito. Na moderna
simbologia, a Cruz aparece como uma flecha, indicando assim a natureza
marciana de impulso para a frente. Mas é interessante observar que a cruz
ou a flecha são sempre inclinadas, mostrando um desequilíbrio, bem como
uma forma inacabada neste símbolo. Assim, ele investe para o exterior,
para longe de si mesmo, enquanto a cruz ou a flecha movem-se com
rapidez para longe do Círculo do Espírito, a fim de encontrar a perfeição
em coisas eternas ou em outras pessoas.
Este é o único planeta pessoal no qual a Cruz da Matéria está situada
acima do Círculo do Espírito. Assim, a necessidade por satisfação carnal,
material e física, tem precedência aqui sobre o Espírito e pode de fato
satisfazê-lo.

Júpiter
O grande doador benéfico, é simbolizado pela meia-lua da
Alma elevando-se verticalmente do braço ocidental da Cruz da Matéria.
Quando Matéria e Alma se combinam harmoniosamente, cada uma é capaz
de realizar a outra. É interessante notar que o braço ocidental da Cruz é
muito importante, pois o Ocidente sempre simboliza maturidade daquilo
que se originou de seu nascimento no Oriente. No símbolo comum, a Cruz
da Matéria aparece no lado oriental da meia-lua da Alma. Assim, o que o
indivíduo materializou anteriormente na vida, mais tarde forma sua
sabedoria.

Saturn
O símbolo de Saturno é formado pela Cruz e pela Meia-Lua.
Aqui, a matéria e o lado da forma da vida precisam estar unidos, com o
sincero desejo da Alma de expressar a si mesma. Assim, tudo que o
indivíduo faz, ele cristaliza no que está acrescentando à natureza de sua
Alma. O valor das coisas é visto pela própria Alma que precisa distinguir
entre o que ela quer compartilhar e o que quer evitar. Como o indivíduo
olha para a vida através de seu Saturno, ele pode ser sombrio e sério, mas o
que está fazendo é refletir sobre a relação entre ideia e forma. Ele se
preocupa com sua habilidade de ver quanto de sua Alma ele pode realmente
expressar pela matéria. Assim, torna-se importante para ele examinar suas
realizações como um reflexo de seu verdadeiro ser interior.

Uranus
O símbolo de Urano é formado por duas Meia-Luas da Alma,
opostas, unidas através da Cruz da Matéria. Sendo o nômade inconstante
dos Céus, Urano sempre foi associado a tudo que simboliza as habilidades
inigualáveis do homem para elevar-se acima do mundano. Para que consiga
isto, ele precisa, a todo custo, romper costumes, freqüentemente partindo-se
ao meio no processo. As Meia-Luas da Alma apontando para direções
opostas nos fazem lembrar dos símbolos lunares da Lua Crescente e
Minguante; cada uma mostrando um lado diferente da vida, como os dois
lados de uma moeda que, embora sejam tão opostas, em natureza, uma não
pode existir sem a outra.
A Cruz da Matéria está no centro deste cabo-de-guerra, simbolizando
tudo que o homem já tinha estabelecido com seus alicerces tradicionais.
Dos braços desta Cruz, as duas Meia-Luas constantemente tracionadas em
direções opostas e até então desconhecidas. A natureza da Alma,
procurando explorar o desconhecido, força o indivíduo a tomar decisões
contínuas entre a estabilidade que já conhece e as possibilidades positivas e
negativas de tudo que ainda não experimentou.
Assim, o símbolo de Urano representa menos para a
imprevisibilidade do homem do que para sua lula para libertar-se do lado
da matéria ou da forma da vida, que dificulta todas as possibilidades
existenciais que ele sabe que pode atingir.

Neptune
O símbolo de Netuno é formado pela Meia-Lua da Alma se
elevando da Cruz da Matéria. A linha horizontal da Cruz fica próxima à
parte inferior da figura, sugerindo quase uma inversão do símbolo da Cruz,
enquanto parece estar se desligando da ascensão da Meia-Lua da Alma.
Aqui, a ausência de forma aflora do formado, pois o sincero desejo da Alma
se ergue acima da importância secundária da Matéria. Como águas
espirituais acima da terra, o símbolo representa o dissolvimento da matéria
que não precisa mais ser cristalizada.
É interessante notar que a Cruz invertida revela a matéria se afastando
para mundos inferiores. Isto é em grande parte descritivo das qualidades
místicas do planeta.
Quando Netuno é Retrógrado, a Cruz aparece verticalmente através
do símbolo invertido, e o indivíduo está mais consciente de sua Alma, pois
a Meia-Lua da Alma está mais perto do plano terrestre. Neste particular se
desenvolve uma poderosa necessidade interior de se aproximar de todas as
coisas materiais no mundo, em função de seu significado mais profundo
para a Alma. Então, num certo sentido, Netuno Retrógrado pode, na
verdade, dar ao indivíduo, a oportunidade de expressar um estágio muito
adiantado de evolução, uma vez que o força a viver neste mundo, mas não a
pertencer a ele!

PlutoMercúrio -
No símbolo de Plutão encontramos o Círculo do Espírito pairando
livre acima da ligação entre a Meia-Lua da Alma e a Cruz da Matéria. Isto é
muito indicativo das áreas desconhecidas que o homem tem que atravessar
antes de finalmente alcançar uma compreensão de si mesmo nos níveis
mais profundos.
Quando a Alma e a parte material da existência não estão em contato
com o Espírito de Luz essencial, o indivíduo experimenta as energias
Plutonianas mais básicas, mas quando ele começa a transcender as
quantidades desconhecidas dentro de si mesmo, ele é capaz de suprir a
lacuna entre sua vida inferior e finalmente ligar-se ao Espírito da purificada
Luz Dourada que Deus pretendia que ele conhecesse. Quando o homem é
capaz de atingi-lo, entra em contato com a parte de si mesmo que é tão
essencialmente boa, que ele tem certeza que ninguém que conheça
realmente acreditaria. Esta é sua verdadeira identidade.

Fonte: Planetas retrógrados e reencarnação
Schulman, Martin, 1941 - tradução Denise Maria Bolanho - São Paulo, Editora Agora, 1987.
(Coleção astrologia contemporânea. Astrologia cármica / 2)